Tudo começa com a insatisfação no emprego. Você pensa em empreender aquela ideia que guardou engavetada por tantos anos e, primeiro, surge a empolgação. Logo em seguida vem o medo. O medo de ficar sem dinheiro, de fracassar e perder tudo, de não ter o suficiente para começar, de não saber como ganhar dinheiro. O dinheiro se torna um obstáculo.

1. O seu modelo de dinheiro

Ao longo dos últimos anos, ajudando pessoas a empreenderem, percebi que as crenças relacionados ao dinheiro são o fator número 1 para que um profissional insatisfeito se mantenha em um trabalho que não lhe faz feliz. Se por um lado, existem as crenças de fracasso, como: ‘‘E se eu perder tudo como vou sustentar a família’’. Por outro, existem as crenças de sucesso, como: ‘‘Vou ter que trabalhar muito e ficar longe da família para ter sucesso’’.

A verdade é que seus pensamentos e crenças determinam o seu grau de sucesso e o seu ‘‘modelo de dinheiro’’, ou seja, a forma como você pensa, sente, age e tem resultados na sua vida financeira. E esse modelo é uma programação mental que se constituiu essencialmente de informações que você recebeu no passado, sobretudo quando ainda era uma criança, através de família, amigos, professores, líderes e figuras de autoridade, mídia e cultura.

Quando nascemos não temos nenhum modelo de comportamento em relação ao dinheiro, sucesso e prosperidade, certo? Somos ensinados a pensar e agir no que diz respeito às finanças através das influências as quais estamos expostos.

1ª Influência: verbal

A primeira influência é a verbal: O que você ouviu quando era criança? Será que frases como ‘‘Poupe poupe para os dias ruins’’, ‘‘Dinheiro não dá em árvore’’, ‘‘Não temos dinheiro para isso’’ fizeram parte do repertório que você ouviu… e agora até repete? Se você acredita hoje nesses pensamentos, embora eles possam estar enraizados no seu subconsciente, são eles que estão determinando a forma como você age e, consequentemente, obtém resultados financeiros.

2ª Influência: exemplo

A segunda maneira pela qual somos condicionados é pelo exemplo. Tente lembrar como se comportavam seus pais ou responsáveis em relação ao dinheiro. Esse comportamento era fonte de felicidade ou de ásperas discussões? Em termos de dinheiro tendemos a ter duas tendências: ou somos idênticos a nossos pais ou a um deles; ou somos o oposto. Tudo depende da forma como era a sua relação com eles.

3ª Influência: vivências

E, por fim, a terceira influência para a sua realidade atual são os acontecimentos específicos, as experiências com dinheiro e riqueza que você vivenciou. Tanto situações difíceis como aquelas mais prazerosas continuam no nosso subconsciente e governam, literalmente, as nossas atitudes.

2) É necessário autoconhecimento para ganhar dinheiro?

Mudar a sua relação atual com o dinheiro é uma escolha. Para que possa proativamente efetuar essa mudança o autoconhecimento é a chave fundamental. É através do processo de conscientização, ou seja, de gerar clareza sobre quais são as crenças que você possui, que poderá entender como elas impactaram a sua vida até hoje e então, finalmente, perceber que é possível recondicionar sua mente com novos pensamentos mais fortalecedores.

O autoconhecimento é o primeiro passo para que você gere a coragem necessária para deixar de fazer aquilo que não lhe traz felicidade e satisfação, para tirar as suas ideias da gaveta e colocar em ação empreendendo sua vida e seu negócio.

 

*Artigo original escrito por Sílvia Pahins e publicado no Diário Catarinense em 20 de setembro de 2016 sob o título ”As finanças como obstáculo”.

Shares
Share This