O medo do fracasso pode impedir muitas pessoas brilhantes de explorar o seu potencial. Afinal, qualquer oportunidade de crescimento também oferece algum tipo de risco — responsabilidades maiores, maior exigência e o mal-estar de sair da zona de conforto. Porém, se queremos crescer, devemos superar esse medo.

Muitas vezes, as principais atitudes que levam a esse receio são excesso de autocrítica e a mania de perfeição. Com isso, ao iniciar uma nova etapa, você já quer fazer tudo sem nenhuma falha e acaba considerando qualquer tropeço uma enorme catástrofe.

Para ajudar, vou dar algumas dicas simples para você se valorizar, compreender a importância do seu trabalho e superar esse medo do fracasso. Acompanhe!

Não personalize o fracasso

Quando um plano ou projeto dá errado, tendemos a colocar a culpa em nós mesmos. Pensamos: “eu faço tudo errado”, “eu não me preparei o suficiente” ou “eu não sou digno de tal tarefa”. Assim, criamos uma defesa em torno de nós e evitamos situações que tenham o potencial de atingir negativamente nossa autoestima.

Nesse momento, é preciso ter sabedoria. Por isso, gosto sempre de sugerir uma tarefa:

  1. Escreva em um papel os fracassos mais marcantes da sua vida;
  2. Depois, descreva completamente a circunstância: quando e onde ocorreu, quais foram os fatores externos e internos que prejudicaram o desenvolvimento da situação;
  3. Então, analise racionalmente quais fracassos foram causados por fatores externos e quais foram, de fato, mais fruto dos seus erros;
  4. Responda à pergunta: qual foi a porcentagem daqueles que deram errado por fatores externos? Surpreendentemente, você verá que são a maioria;
  5. Por fim, liste em uma folha aquelas falhas causadas por fatores internos. Depois, quero que você reflita se você se aprimorou desde então.

Essa atividade certamente lhe mostrará que grande parte do fracasso vem das circunstâncias. Além disso, você será capaz de ver o quanto você evoluiu desde então. Se você perceber que teve um crescimento muito grande, não há motivo para se preocupar.

Questione a raiz do medo

Na psicologia cognitivo-comportamental, há um conceito bastante interessante: todo os nossos pensamentos têm origem em uma crença central. Ela é desenvolvida ao longo da nossa vida e se refere a uma imagem que criamos de nós mesmos. Por exemplo, quando uma pessoa tem uma autoestima baixa, ela pode ter a crença central de que não tem valor nenhum.

Já as origens do medo podem ser variadas: traumas, educação familiar, educação escolar etc. Então, frequentemente, para superar o medo do fracasso, precisamos entender a raiz do medo e questioná-la. Confira algumas causas comuns:

Educação muito rígida

Os pais sempre exigiram muito e criaram o filho para o perfeccionismo. A cobrança excessiva gera uma ansiedade de desempenho muito grande, e a pessoa desenvolve a crença central de que nada do que ela faz é bom.

Dessa forma, é importante realizar os seguintes questionamentos: o meu temor é real? Quais são as situações que desencadeiam o meu medo de fracassar? Tenho me aprimorado para melhorar constantemente? Frequentemente, deixo de realizar alguma tarefa por ouvir uma voz interior dizendo que nada do que eu faço dá certo?

Então, você será capaz de perceber que grande parte do seu medo não vem de fatores internos, e sim de pensamentos automáticos que sempre te levam a pensar no fracasso, em vez do êxito.

Traumas

Os traumas são aquelas situações que foram muito ruins para nós e que não gostaríamos que se repetissem de modo algum. Assim, deixamos de nos expor a diversas situações que possam desencadear essas memórias ruins.

No mundo dos negócios, isso ocorre constantemente. Uma determinada pessoa abre um negócio que não dá certo e, por isso, deixa de empreender e aproveitar as oportunidades por medo. Então, vem o pensamento automático de que você não sabe gerir bem negócios e que não é um bom empreendedor. Mas, na verdade, é preciso aprender que um fracasso passado não implica um futuro.

Você deve ter aprendido bastante com o primeiro erro e, assim, vai estar mais preparado para evitar os próximos. Além disso, muitas coisas provavelmente mudaram: a situação econômica do país, o mercado, seus concorrentes etc. Portanto, há um grande potencial de suas novas ideias darem muito certo.

Começar com um pequeno MVP

Aproveitando que falei dos traumas com fracasso, vou falar da mudança de paradigmas de negócios que ocorreu nas últimas décadas. Você possivelmente pensa em abrir uma empresa da seguinte forma: vou alugar um local, fazer marketing, comprar tais equipamentos etc. Assim, você precisou de muito esforço para ver sua ideia fracassar no final.

No novo paradigma, você não começa com uma ideia de “negócio”, você inicia com uma ideia de um produto mínimo viável (MVP). Ele funciona da seguinte forma: qual é o produto que você deseja lançar? Então, em vez de criar todo um negócio para lançá-lo e investir bastante, você vai começar aos poucos.

Desse modo, você cria uma versão do produto que demande a quantidade mínima de esforço e desenvolvimento. Com isso, você minimiza seus riscos e, consequentemente, seu medo de falhar. Então, você testa o conceito com um grupo reduzido de clientes. Se der certo, você pode escalar e melhorar o produto.

Porém, caso dê errado, você será capaz de aprender com a situação sem aquele enorme peso de ter perdido muito tempo e dinheiro. Nesse sentido, você deverá manter o seu esforço em um MVP com o conceito aprimorado. A solução jamais será deixar o produto cada vez mais dispendioso, e sim aquele mais simples pronto para ser testado.

Faça testes constantemente

Para ter segurança ao lançar um produto definitivo no mercado, é essencial tê-lo testado diversas vezes. Infelizmente, no mundo dos negócios, a forma como imaginamos o nosso produto não é a que o mercado o recebe. Então, você pode acreditar plenamente que seu produto oferece uma ótima solução para os problemas do consumidor. Porém, o seu público pode acabar não comprando a sua ideia, o que levará seu negócio ao fracasso.

Testar desde o início com um MVP é um dos grandes segredos dos empreendedores de sucesso. Com isso, eles aprendem a cada falha e continuam tendo um bom capital para investir. Por isso, nunca invista pensando em um produto final ou em uma empresa pronta. Coloque sua energia em criar uma ideia interessante e minimamente viável. Depois disso, realize diversos testes de conceito até chegar a um produto realmente maduro e interessante para o público.

Converse com outras pessoas que passaram pelo processo

Na psicanálise, há um conceito muito importante: o luto. Ele não se aplica somente à morte de um ente querido, mas também a qualquer outra situação de muita frustração. O luto é aquele tempo que tomamos para refletir e superar uma perda.

Por isso, é bom conversar com as pessoas que passaram pelo mesmo processo que você, ou seja, que tiveram um negócio fracassado ou que são muito perfeccionistas. Assim, você poderá ver que o sucesso não depende de acertar rapidamente, e sim de não desistir e sempre se aprimorar.

Portanto, asseguro que o medo de fracassar é natural e uma regra entre a maioria de nós. No entanto, quem conquistou o sucesso teve de vencer esse receio e acreditar bastante em si mesmo. Não é algo fácil, que você vá atingir de um dia para o outro. Ao contrário, é uma construção constante que você faz no seu cotidiano.

Então, quer vencer essa inércia que leva ao medo do fracasso? Não deixe de ler nosso guia de como transformar metas em ações, acabando com aquela sensação de que nossos sonhos só ficam no papel!

 

Shares
Share This