Quantas vezes você já se pegou com um projeto na cabeça, tendo todas as possibilidades para realizá-lo e, mesmo assim, desistiu no meio do caminho? Não há maior inimigo na busca por sonhos do que a autossabotagem.

Muitas vezes ela se disfarça de desculpas simples como “não tenho tempo”, “estou muito cansada” ou “isso vai custar muito caro”, mas escondem um problema ainda maior: a falta de confiança em si mesma.

E isso não acontece de propósito.

Em nossas vidas passamos por diversas experiências, ambientes e pessoas que podem influenciar diretamente nas nossas referências sobre quem somos. Pessoas que sofrem bullying na infância, por exemplo, pode se tornar adultos com baixa autoestima, o que gera comportamentos e pensamentos extremamente autodestrutivos.

Para acabar com a autossabotagem, reunimos algumas dicas no post a seguir. Ficou interessada? Continue lendo!

Descubra qual a SUA forma de autossabotagem

O primeiro passo é identificar de que forma a negatividade é mais presente na sua vida. Muitas pessoas não conseguem concretizar projetos; já outras procrastinam tarefas do dia a dia. Há também quem morra de medo de fracassar.

Quando você identifica o que te impede de crescer, fica mais fácil acabar com esse padrão autodestrutivo. Nessa fase, é importante ser sincera consigo mesma e estar disposta a mudar. Essa atitude te ajudará a seguir para aquilo que realmente quer.

Pare de se basear nas conquistas dos outros

Em tempos de redes sociais, nós sabemos que é difícil se afastar de tudo e não ter uma pontinha de inveja daquela sua amiga aproveitando uma praia do Caribe enquanto você está em um escritório fechado às sete horas da noite.

O problema é quando a vida do outro se torna o seu único referencial de felicidade. Muitas pessoas se sentem frustradas e depressivas porque vivem se baseando em conquistas e objetivos que não são seus.

E essa é uma forma de autossabotagem. Sabe aquela história de que “a grama do vizinho é sempre mais verde”? Isso acontece porque você está negligenciando a sua própria grama enquanto cultiva a inveja. Lembre-se de que nem sempre o que o outro possui é o ideal para você. Queira sempre algo melhor, mas foque-se na sua própria jornada.

Reconheça seus defeitos, mas não se conforme

Se neste momento você está insatisfeito com a sua vida e percebe que é causadora de muitos problemas que a travam, parabéns! Você chegou a um estágio em que poucas pessoas conseguem: o de assumir responsabilidades e não apenas culpar o acaso por aquilo que não tem dado certo.

Reconhecer seus defeitos é o primeiro passo para fugir da autossabotagem e fazer mudanças realmente significativas sozinha ou com a ajuda de profissionais, como coaches e psicólogos.

Errar faz parte da nossa jornada de crescimento. Mas viver com a síndrome de Gabriela, em que “eu nasci assim e vou ser sempre assim”, não te levará a lugar algum. Mudar exige esforço, trabalho e sacrifícios? Sim. Mas o resultado será recompensador em todas as áreas da sua vida.

Mude o seu mindset

Quantas vezes você se vê repetindo frases como “eu não consigo” ou “eu não sou capaz”? Muitas vezes acreditamos que guardar certos pensamentos negativos não é prejudicial, mas o que você pensa sobre si própria é extremamente poderoso.

Se você, frequentemente, desiste antes de tentar porque acredita que vai fracassar, dificilmente terá a motivação para buscar os seus objetivos. Imagine um atleta de MMA indo para uma luta sem acreditar que pode vencer. Você acha que ele tem chance?

Não adianta sonhar com um cargo de liderança ou ser vista como uma pessoa de sucesso se você vive se colocando para baixo diante dos outros e de si mesma. Por isso, a próxima vez que os pensamentos negativos aparecerem, faça um teste simples e diga baixinho: “sim, eu posso”. Com essa mudança simples de mindset, o céu será o limite.

Afaste-se daquilo que te põe para baixo

Quem vive em um ambiente em que sua autoconfiança é estimulada, com pessoas que te elogiam e te põem para cima, tem mais possibilidades de criar referências positivas sobre si mesma e eliminar as chances de autossabotagem.

Convivência com pessoas negativas, relacionamentos abusivos e ambientes profissionais com cobranças excessivas podem destruir a sua autoestima e aumentar as chances de desenvolver problemas psiquiátricos mais graves, como a depressão.

Por isso, se você tem observado que está em uma situação que interfere negativamente na sua autoconfiança, não perca tempo e fuja dela.

Perdoe-se

Uma pesquisa realizada pela Dove Global Beauty and Confidence Report mostrou que sete em cada dez mulheres se sentem extremamente pressionadas a nunca cometer erros, o que afeta a autoestima e as impede de realizar diversas atividades importantes na vida.

Você acredita que é a responsável pela maneira em que se encontra? Identificou como a autossabotagem está presente e tem dificultado a sua trajetória de vida? Então comece a se perdoar.

Isso não quer dizer se conformar, pelo contrário. Perdoar-se significa reconhecer a própria responsabilidade diante dos fracassos, mas buscar vias de mudança.

Perder tempo se lastimando ou se culpabilizando não te deixará mais perto da concretização de sonhos, só reforçará o pensamento de que tudo está perdido. Por isso, abandone a ideia depreciativa que você tem sobre si mesma e assuma as rédeas da sua vida.

Crie novas possibilidades

Depois de reconhecer o que causa a autossabotagem, chegou a hora de criar novas possibilidades. Tudo o que você precisa é encontrar uma atividade que traga a diferença na sua vida e concentrar todo o seu esforço nela.

Um novo objetivo pode vir de onde menos se espera. Por isso, em vez de buscar aquele momento grandioso em que de repente você terá a vida que sonha, dê um passo de cada vez.

Comece pelo básico: mude a sua rotina de trabalho, faça uma nova atividade prazerosa, busque conhecimento ou faça um curso em uma área diferente — mesmo que você não queira atuar profissionalmente nela.

Experimente sair da sua zona de conforto, defina novos objetivos e verá que os resultados serão totalmente diferentes — e melhores — do que você tem conseguido até agora.

Gostou do artigo? Conhece pessoas que estão cometendo os mesmos erros e sabotando a própria vida? Então compartilhe essas dicas nas suas redes sociais e ajude a combater o mal da autossabotagem!

Shares
Share This